sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Pinks arteiras

Tudo começou porque na frente da tela tinha um palco. Não era exatamente um palco de apresentação, mas três moças de pink subiram e foram dançar balé. Depois subiu mais uma e incrementou a apresentação. 



As moças de pink se empolgaram! Chegaram mais algumas, uma delas, saltitante. 


Depois da apresentação, os agradecimentos.


Agradeceram, mas resolveram dar um BIS. A tal apresentação pegou fogo!



Não pense que elas cansaram. Foi só uma pausa para pensar melhor.



 Não falei que vinha mais show depois? No capricho!








Juro que somos pessoas sérias, fazemos um trabalho sério e levamos nossa missão a sério. Mas você entende que precisamos nos divertir também, né? Estas fotos foram tiradas antes no lançamento na Cinemark do Golden Square Shopping

Provas de que trabalhamos com afinco estão nas fotos abaixo. Logo depois da farra, a labuta!

Gláucia Colebrusco explicando a preparação da sala para a equipe
Equipe compenetrada
Gisele Silva, responsável pelas mídias sociais, acompanhando o Facebook,
com Simone Lam, que gerencia os patrocinadores
Equipe completa, em pose séria



Karina Campo, que cuida do relacionamento com os shoppings,
espantada com a contagem de 210 adultos e 155 bebês


Sala LO-TA-DA e pinks espalhadas

O merecido relaxamento pós-evento

Resolvi dedicar este post de lançamento à nossa equipe PINK, que faz com que o CineMaterna seja um mar de rosas na vida das mães recém-nascidas. Recomendo ver as demais fotos do lançamento (AQUI), que ficaram muito lindas - afinal, com modelos como nossas mães e bebês, não tem como ficar ruim, né?

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Os geeks também se emocionam

Declaração do Lucas Bertoni, nosso geekmaster-do-website, sobre seu amor pelo CineMaterna.

Lucas Bertoni, em um momento pink,
no lançamento do CineMaterna em sua
cidade, São José do Rio Preto (SP)
Dia 13 de fevereiro de 2012, pela manhã, em um escritório na Av. Paulista [São Paulo], foi quando conheci essas duas pessoas, uma pequenina e outra mais elevada, na primeira reunião sobre nosso novo projeto CineMaterna.

Logo de cara a gente já fica surpreso pela originalidade e simplicidade desse projeto, mas também é assustador seu potencial de crescimento. Eu já vi coisas crescerem rápido demais, sem a estrutura necessária, e darem muito errado por conta disto.

Entre um dos fatores que, humildemente, julgo de sucesso, foi esta mentalidade, a de saber que era preciso se preparar para lidar com o gelo todo desde o primeiro momento em que foi avistada a ponta do iceberg. Isso é raro, me deparei com duas pessoas descrevendo a necessidade de organizar fraldas, pomadas antiassadura etc., totalmente inédito para mim.

Mas até então, tudo bem, mais um cliente, meio diferente sim, mas um cliente... até que ao final da reunião foi descrita uma perseguição automotiva a um caminhão rosa, em plena luz do dia, no meio de São Paulo, trânsito caótico e tudo o mais, devidamente documentada! (http://cinematerna.blogspot.com.br/2012/02/perseguicao-rosa.html)

Nisso já pensei, poxa essas meninas são legais!

O turning point foi na despedida, onde houve uma sessão de fotos na porta de saída, o tema: guarda-chuvas coloridos, era um dia chuviscoso, e estávamos em uma agência de design (onde todo mundo compete por ser o mais maluco beleza possível), fotos e mais fotos...

Os guarda-chuvas fotografados na agência

Isso me vez pensar, rolou aquele estalo, pela primeira vez vi pessoas tão apaixonadas por uma causa, uma energia tão boa, sorrisos, felicidade, propósito. Percebi logo de cara que não havia nada de capitalista, negativo, a intenção era pura, mudar a vida das pessoas e eu imediatamente quis isso para mim também, quis fazer parte.

Nesse dia elas me conquistaram, desse dia em diante minha vida mudou, costumo pensar que somos a soma infinitesimal de tudo de bom e de ruim que nos acontece, e nestes mais de fios anos, dia após dia, o CineMaterna fez parte da porção boa da minha somatória.

Até hoje elas continuam nos contagiando, e cada vez mais, Brasil afora.

Taís, Irene, obrigado por serem estas pessoas maravilhosas e obstinadas que são, parabéns pela coragem, pelos desafios vencidos, pelas pessoas que vocês conquistaram e por tudo que ainda vão realizar.

Agradeço de coração a todos os envolvidos, eu fico muito, muito feliz de fazer parte disto tudo!

Lucas, ter um geek para chamar de nosso já é o supra-sumo-do-máximo. Quando esse geek escreve uma declaração dessas, é de se derreter de amores! Um amor pink, profundo!

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

CineMaterna para quem?

CineMaterna é um programa para mães recém-nascidas. Existimos justamente para as mães que ainda estão naqueles primeiros confusos, intensos e loucos meses. Para algumas, são três meses. Para outras, quatro. Há aquelas que precisam de seis meses, enquanto outras, nove. Não é uma conta exata, e este tempo é muitas vezes definido pela licença-maternidade.

Dupla mãe e bebê recém-nascidos, no CineMaterna

Quando uma mãe volta a trabalhar, seja qual for o prazo, ela "retorna para o mundo". Ter horários para entrar e sair do trabalho a obriga a se esquematizar em relação ao seu bebê e a ela mesma. E aí, ir ao cinema com a companhia de chorinhos, luz acesa e som mais baixo já não é um programa tão idílico assim.

Mas para a mãe recém-nascida envolvida na sua rotina de amamentar-tomar banho de sol-trocar fralda-amamentar-dar banho-pôr para dormir-amamentar-trocar fralda-ufa!, o CineMaterna passa a ser um um refúgio, uma válvula de escape, um porto seguro. É exatamente durante a semana à tarde que bate a angústia das horas que não passam. Geralmente não há amigas nem companheiro disponíveis porque estão trabalhando. Tem a praça, mas pode chover e puxa, fui lá ontem e ventava muito. Dá para ir à farmácia, mas não preciso de nada. Tem o pediatra, mas é só daqui a duas semanas. Quem sabe vou à padaria tomar um suco, de novo?

Sabemos que ao escolher as tardes durante a semana estamos restringindo o público. Adoraríamos atender a todas as mães, ter sessões em vários dias e horários. Mas o CineMaterna é uma ONG e os recursos, limitados. Daí que decidimos respeitar nossa vocação de acolher as mães recém-nascidas, que precisam de um respiro, e, ao mesmo tempo, utilizar os espaços em horários ociosos. Mães e bebês não combinam com estacionamento cheio, elevadores disputados, cinemas lotados, que é o cenário dos finais de semana nos centros comerciais. Aqui, não estamos falando da mãe acompanhada, mas dela sozinha com seu bebê.

A grande conquista para muitas mães que vão ao CineMaterna é que finalmente conseguiram sair de casa sozinhas, só com sua maior companhia do momento, o bebê. Para o resto da população, é absolutamente trivial sair de casa. Para a mãe recém-nascida, é uma tarefa que demanda planejamento, preparação e muita coragem, mais do que ela jamais imaginou precisar para uma saída a dois.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Teve em Beagá

Passada a Copa do Mundo, quando o Brasil parou (exceto as sessões do CineMaterna, que bombaram), voltamos às estreias em novos complexos! A sessão inaugural do CineMaterna na Cineart do Shopping Del Rey, em Belo Horizonte (MG), foi animadíssima. 

Teve:

Amigas que se encontraram
Laços...
... laços...
... e mais laços.
Mãe que chegou pulando e dizendo:
"só o CineMaterna para me fazer
sair assim, com este pé!"
Bebês amarradinhos
Pinks charmosas, simpáticas e acolhedoras
Pai e bebê de super-heróis, combinando
Foto em grupo
Selfie
Bebê se espreguiçando no trocador
Gerente de marketing do shopping com seu bebê 
Avós
Boas risadas

Bebê dormindo aqui...
... ali...  
... e acolá.  
Pai orgulhoso
Mães felizes e bebês capotados

Teve também histórias (e fotos) dos bastidores. 

Karina e Taís com as bagagens pink, esperando a van da locadora de carro
Detalhe pink
Três maluquetes sobre quatro rodas

Chegamos um dia antes do lançamento. Sente os quilômetros rodados em seis horas: saímos do Aeroporto de Confins (a uma hora de BH), fomos almoçar, seguimos para o hotel deixar as malas, largamos a Karina no Boulevard Shopping para uma reunião, Taís e eu fomos comprar trocador, passamos no Cinema Belas Artes fazer um "intercâmbio de trocadores", buscamos a Karina, rumamos para o Del Rey para deixar os equipamentos, fomos jantar e ufa, finalmente o hotel, chuveiro e cama!

No hotel, o relógio em forma de claquete de cinema
Eu dirigindo, carro abarrotado, e de tanto rodar,
Taís com enxaqueca - não que eu dirija tão mal assim!

O dia seguinte, no evento, alegria com as mais de 70 famílias que compareceram à estreia mais animada do pedaço. Assim retomamos nossa (não) rotina de lançamentos em grande estilo.

Mais fotos deste lançamento AQUI