terça-feira, 17 de junho de 2014

Mea culpa - ou mãe culpa

Escrevo porque me sinto culpada. Desde que meu primeiro filho nasceu, é incrível como este sentimento passou a ser mais frequente. Como um pacotinho que mama, chora, dorme e faz xixi e cocô pode mudar a gama de emoções que sentimos, do mais profundo amor à... culpa!?

Pequena mão do ser que entrou em minha vida
sem pedir licença e trouxe com ele
uma nova gama de emoções
Admito: a culpa ronda meu ser materno. Claro que este não é o sentimento preponderante na maternidade - ou não haveria mais mães no mundo. 

A culpa aparece porque desejei que meu filho fosse diferente e dormisse a noite toda, porque deixei que ele caísse da cama, porque ele ralou o nariz - bem debaixo do meu nariz.

A culpa se sobressai quando tenho vontade de estar em outro lugar que não com meus filhos em uma festa infantil. Vem à tona quando percebo que não consigo inventar as histórias que meu filho tanto gosta de ouvir. Surge porque dei uma bronca necessária; vem porque perdi a paciência e dei um grito desnecessário.

A culpa chega quando estou trabalhando e não estou brincando com meus filhos; surge porque estou brincando com meus filhos e deveria terminar aquele trabalho. Me sinto culpada porque fui ao cinema e não coloquei os filhos na cama.

A culpa brota quando disse que buscaria os filhos na escola, mas a reunião não terminou a tempo. Aparece quando o filho ficou doente porque (acho que) não o agasalhei direito. Sinto-me culpada quando percebo que passo muito tempo ao celular quando vamos à praça.

A culpa é cruel, onipresente e muitas vezes, inadequada. Aparece nas melhores mães, que frequentemente não conseguem filtrar o que realmente é merecedor do sentimento de culpa. Meu esforço diário é tentar usar a culpa a meu favor: evitar ficar remoendo e decifrar o que meus sentimentos estão me forçando a refletir. Se consigo? Ah, se fosse tão evoluída assim, não estaria aqui escrevendo este texto!

12 comentários:

  1. OI Chissa
    A culpa ronda a minha maternidade desde quando vi a palavra "positivo" no teste de gravidez do meu segundo filho e mais ainda quando percebo o trauma que meu segundo relacionamento causou em meu primeiro filho.
    Fora essas culpas diárias que nos consomem.... Mas acredito que uma dosagem de culpa faça parte do postulado que Deus nos enviou .. e que independente da culpa, me faz agradecer a Deus todos os dias pelos filhos lindos e maravilhosos que ele deixa sob a minha tutela.
    Adorando o blog
    Debby :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário, Debby! Mães dão trabalho, hehehe.

      Beijo grande
      Irene

      Excluir
  2. A culpa vem no pacote, não é Irene? Já me culpei bem mais do que me culpo hoje, com a minha pequena #aos5. Minha mãe diz que com o tempo aprendemos a aceitar que somos humanas, ainda que mães. Haha Tomara! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Ísis. O que importa é que no final do dia, fizemos o melhor que pudemos. Justamente por isso, somos super mães! :)

      Bjs
      Irene

      Excluir
  3. A culpa vem tds os dias quando olho pra minha filha, será q conseguirei ser boa mãe, será que darei conta perfeitamente???? Os medos vem e vão sempre, não há pra onde correr. Mas tenho uma certeza, darei o melhor de mim para que isso aconteça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raylane, a gente precisa lembrar sempre de pegar leve! Mães perfeitas não existem. O que há são mães de verdade, de carne, osso e emoção, que estão ali, querendo acertar. :)

      Excluir
  4. A culpa vem quando estou muito cansada do trabalho e quero que ele durma logo, a culpa vem quando percebo que daqui a um mês ele completa um ano, e eu perdi tanta coisa trabalhando.
    A culpa vem todas as manhãs quando me sinto tão mãe e ao mesmo tempo tão errante.
    Adorei super me identifiquei Beijos

    ResponderExcluir
  5. Ai, a culpa... culpa por ter que trabalhar e não ficar em casa com o bebê, culpa por estar cansada e meio impaciente... Bom saber que não sou a única a me sentir frequentemente culpada. Amo o blog. Abraço!

    ResponderExcluir
  6. O lado bom da culpa é que ela promove melhorias, né? Se não fosse ela, não tentaria passar mais tempo com minha pequenina, não cuidaria o triplo para não cair, não pensaria 2 vezes antes de agasalhá-la, não iria pra casa todos os dias suspirando de saudade, cheia de paciência, pra não deixar o cansaço abater, se quiser brincar, se não dormir bem, paciência! As vezes queria uma poção mágica de energia, rs... Enfim... Vamos usar a culpa a nosso favor!... Mas... A culpa que me tem de mãos atadas, que me corrói, é a de ter que trabalhar todos os dias...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mari, é duro nos afastarmos dos pequenos, mas trabalhar e ter um tempo nosso também nos ajuda a manter a sanidade mental. Enfim, como tudo, o meio do caminho é a melhor alternativa, né? :)

      Excluir