segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Selo 'Garantia de Final Feliz'

Quando eu estava grávida, me veio essa ideia de que os filmes, além da classificação de gênero e indicação de idade, deveriam ter um selo "Garantia de Final Feliz".

Nessa época, eu realmente não estava no clima de ver filmes desgracentos. Tudo o que eu queria era ter a certeza de que eu sairia do cinema achando que a humanidade, mesmo que devagar, andava para a frente e que não era uma ideia tão insana assim adicionar mais uma pessoinha a essa imensidão de gente que já está aqui.

Interessantemente, a maioria dos filmes de ação, que chamamos internamente de filmes "de menino", tem final feliz. Mesmo com tiros e explosões, tudo acaba bem e tranquilamente conferiríamos o selo. Ou seja, não dá para dizer que "final feliz" é sinônimo de "filme de mulherzinha".

Por outro lado, tem filme que engana, viu?

[Aviso aos navegantes: se você não viu algum dos filmes que comentarei a seguir, pare por aqui, com o risco de saber o final.]

Veja por exemplo o romance Noites de Tormenta: se tivessem me avisado que o infeliz do Richard Gere m-o-r-r-e-r-i-a e deixaria a Diane Lane sozinha no final, eu teria assistido "preparada" ou, para ser sincera, talvez nem tivesse assistido, dependendo do meu estado hormonal. Compare agora com a mesma Diane Lane em Sob o Sol da Toscana e me diga se tem como sair triste deste filme?

Outro que me deu um susto foi Um Dia. Tá, eu não tinha lido o livro e a Irene Nagashima tinha me avisado que era "drama", mas claro que eu não reparei. Afinal, me diverti muito com a mesma Anne Hathaway em O Diabo Veste Prada e ela já fez muita comédia, romântica ou não. Quando a Tatiana Storni me perguntou no lobby se era filme "de chorar", eu ingenuamente respondi "acho que não". No meio do filme, a coisa  foi estranhamente lembrando a parte em que a Meg Ryan morre em Cidade dos Anjos e... batata! Não é que a protagonista morre??? Fiquei passada! E com o braço dolorido dos tapas que a Tati Storni me deu...

Em Marley & Eu, felizmente fui avisada de que o cachorro morria e tomei cuidado para não ver essa parte. Mas a Alexandra Swerts não, e saiu aos prantos, correndo para o banheiro, no meio da sessão...

Não estou dizendo que dependo de um final feliz para achar que o filme foi bom, de forma alguma. Só quero saber no que estou me metendo, oras!

Comer, Rezar, Amar
Garantia de Final Feliz
(com louvor e bossa nova!)

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

De joelhos

Essa linda menina de cabelos repletos de cachos é a Isadora, hoje com 18 meses, filha da Gabriela Terra, ambas assíduas frequentadoras do CineMaterna em São Paulo.

Gabriela e Isadora
Foto: Karin Michels

Como a maioria dos bebês, Isadora sentou, engatinhou e caminhou... de joelhos. Brinco que ela é nossa pequena "pagadora de promessas". É incrível sua agilidade e desenvoltura. Tente caminhar de joelhos! Para nós, adultos, é quase impossível.

video

Cada bebê tem seu desenvolvimento, seu jeito, suas peculiaridades. Gabriela conta que há uma pressão das pessoas à sua volta para que Isadora caminhe "de verdade". Mas o que é caminhar da forma correta? Isso me faz refletir a respeito do olhar da sociedade sobre o certo e o errado na criação dos filhos. Que pai ou mãe nunca ouviu palpite de um completo estranho na rua?

Claro que não são apenas ressalvas negativas, há elogios e admiração. Da mesma forma que sou fã desta dupla dinâmica. Nada que uma joelheira não resolva!

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Adolescer

Você acha que só registro imagens de bebês e seus familiares? Esta foto foi tirada na fila do cinema. Estava fotografando uma mãe, quando percebi que eles faziam caretas e gesticulavam, tentando "invadir" meu campo de visão. Quando disse que os fotografaria, fizeram sua melhor pose adolescente e mereceram entrar aqui, entre os posts.

Nem vou começar a imaginar meus filhos, hoje pequenos, com essa idade, com esse tamanho. Ai, o que nos espera!

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Lançamento no CinEspaço Beiramar, Florianópolis

Florianópolis a partir da sacada do estacionamento do Beiramar Shopping

Nas vezes que fui a Florianópolis pelo CineMaterna, não fui à praia nenhuma vez. Uma pena, um desperdício. O que não significa que tenham sido viagens mal aproveitadas, pelo contrário! Só de encontrar a equipe local, já vale a pena. Afinal mulheres de pink são a nossa praia!

A partir da esquerda, eu, Karla, Lucíola, Taís e Sheila
(Sheila com crise renal, se recusou a ir embora)

A viagem começou com um sinal de boa sorte: uma das caixas ganhou uma fita cor-de-rosa. Mulher, sexo frágil? Não, só o conteúdo da caixa!


Chegamos à cidade e fomos direto para... o shopping! O lançamento foi no CinEspaço do Beiramar Shopping, cinema novo no centro de compras mais antigo da cidade. Com este lançamento, cobrimos 100% dos cinemas de Florianópolis.

Taís Viana, a engraçadinha
Programa do cinema anuncia nossa sessão

O alto astral começou com o público chegando. Mães felizes e bebês lindos, recebendo seu ingresso para um programa divertido. 





Vestido igual ao da boneca!
Márcia, avó da Martina, no carrinho, que frequenta CineMaterna
desde que tem um mês de idade, trouxe outra neta para o passeio
Família completa em pose para a foto
Estacionamento de carrinhos em frente ao painel do filme Terra Estrangeira

As fotos dentro da sala não ficaram boas. Dificilmente ficam, por causa da baixa luminosidade. Deixo aqui apenas uma, que é para mim muito representativa do que fazemos e almejamos: o sorriso de uma mãe olhando para a tela. Ela não se importou em estar sentada no chão, olhando para cima e vigiando um bebê que já engatinha. Foi um momento de lazer, de descontração. 


Outra cena que me enternece é quando as famílias na saída param junto ao nosso banner e tiram uma foto. Se querem levar esta recordação, é porque a experiência foi boa, não é?




Veja o álbum completo do lançamento. 

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Sonhando vamos longe

Há quatro anos um grupo de mães começou a invadir um cinema com seus bebês. Seis meses depois, três mães "malucas" sonharam fazer disso seu trabalho. Muita água passou debaixo da ponte desde então, mas foi incrivelmente gratificante ter visto nosso sonho aos poucos virando realidade para milhares e milhares de mães neste país.

Na terça-feira 07/02 à noite, no sofá da sala de espera da TV Com de Florianópolis, enquanto eu e Irene aguardávamos para participar do programa Estúdio 36, conhecemos outro sonhador:

Carlos Abiel tem uma voz linda e "resolveu" que em 2012 convencerá a Marisa Monte a cantar uma música que ele compôs para a gravação do primeiro CD dele. Simples assim! rs Para isso compôs a música Bem-te-vi especialmente para convencê-la, criou uma página no Facebook e foi à luta!

Achei esta história tão divertida que me juntei ao coro: "Canta com o Abiel, Marisa!"

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Jedai*

Estávamos em Brasília para uma reunião com o Shopping Iguatemi. No corredor encontramos com este Darth Vader, personagem da série Guerra nas Estrelas, feito de Lego! Incrível!


E a estrela de "gente" ao seu lado é a Taís Viana, que não perde a piada. Seu comentário depois da pose para a foto: "nunca imaginei que o porta-banner pudesse ser tão útil!".

(*) Jedi (pronuncia-se jedai), personagens de Guerra nas Estrelas, formam uma ordem de guardiões que dominam o lado "luminoso" da Força, campo de energia gerado por todas as coisas vivas.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Ação!

Meu filho Max, de 4 anos, como muitos meninos de sua idade, é fascinado pela animação Carros e acabou de ganhar o DVD da sequência. Para quem não viu, é repleto de ação, bem "filme de menino". Em uma cena de explosão, vi Max exclamando "UAU!", legitimamente empolgado e envolvido, mesmo já tendo assistido inúmeras vezes.

Cena do filme Carros 2
Divulgação

Além de ser tocante ver um filho tão compenetrado, me pus a refletir sobre como as crianças vão formando sua personalidade e suas preferências. O mundo dos carros e da ação fascina a maioria dos meninos, assim como as meninas nascem com DNA cor-de-rosa (que muda depois de certa idade). Os filmes que eles costumam assistir repetidamente, as histórias que amam ouvir vão, aos poucos, formando as pessoas que serão daqui a alguns anos.


segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Lançamento no Espaço Itaú CasaPark, Brasília


Foi assim que recebemos o público no Espaço Itaú do Shopping CasaPark, em Brasília. Nosso banner em frente ao complexo indicava que a sessão mais inusitada do pedaço aportava por ali. Depois disso, nada seria como antes. Pretensioso, hein?

Tudo começou como habitualmente se iniciam os lançamentos do CineMaterna:

No aeroporto despachando caixas, malote pink, banners e mais caixas
Nossos comprovantes de bagagem esperando serem afixados
A forma "artística" como a atendente colou os comprovantes

Depois de descobrir como subir no shopping com as tantas caixas, encontrar a equipe brasiliense e arrumar a sala, estávamos prontas para receber o público.

A partir da esquerda: Lucimara, Taís, eu, Fernanda e Katya 

Fernanda entregando os ingressos às mães

Bat-gêmeos!
"Ei, você vem sempre aqui?"
Clicado pelo fotógrafo Luiz Finotti, parceiro do CineMaterna
Esperando a sessão começar
45 dias de bochecha!
Não basta ser charmosa, tem que ter um lindo laço
Eba, pipoca!
Público se ajeitando
Mais gêmeos!

70 adultos na sala de cinema assistindo ao argentino Medianeras: Buenos Aires da Era do Amor Virtual e 50 bebês acompanhando, dormindo ou acordados. Comédia romântica, a projeção do filme foi acompanhada por explosões de risadas em seus momentos mais cômicos. 




Ao final da sessão, sorteio e lembranças da Natura Mamãe e BebêBepantol Baby, Calçados Klin e dos fotógrafos Vivi e Luiz. Teve mãe brincando que desse jeito, ficaria mal acostumada. Pois é, mimar as mães é especialidade do CineMaterna! Fazemos isso com muito orgulho. 





Termino o post como comecei: com o banner CineMaterna à frente do cinema, indicando que Brasília ganhou mais um complexo com sessões. A cada quinzena, terças-feiras às 14h, no Espaço Itaú do CasaPark, tem diversão para as mães, com conforto para os bebês. 

Álbum completo de fotos aqui

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Cinema mudo

Este é "causo de mineirim", contado pela Ioná Nogueira, nossa coordenadora de Belo Horizonte.

A sessão começou com os trailers, projetados sem som. Ioná foi avisar a equipe do cinema. Aguardava o ajuste, quando um casal sem bebê se levantou para perguntar:

- Bebês na sala, tudo bem, mas vai ter som?

Charlie Chaplin em cena do filme "Luzes da Cidade"
Reprodução 

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Perseguição rosa

Uma caçamba de caminhão ROSA!
Segue o caminhão!
Mais um pouco!
Não foge, caminhão! Preciso tirar uma boa foto!
Quase lá!
Aí, aí, aí!
Alcançamos!
Vou sair pelo teto solar do carro.
Consegui uma vista plena da caçamba.
Tchau caminhão, valeu o post!

Direção (do carro): Taís Viana
Fotografia: Irene Nagashima
Roteiro: o acaso do trânsito de São Paulo