segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Ela é carioca

Hoje é aniversário da Bianca. Carioca, mãe da Julia, psicóloga, entrou para o CineMaterna quando começamos nossa expansão no Rio, fortemente recomendada por um profissional da área de cinema. Sempre cruzamos com anjos da guarda que nos indicam bons caminhos!

Bianca já tinha ouvido falar da gente, topou na hora estar na equipe carioca. Logo percebemos que ela poderia "ser muito mais CineMaterna", estar nos bastidores, afinal, entende muito de cinema e é super-competente. Lembro até hoje da alegria que foi fazer o convite e receber a resposta empolgada dela. Sabia que tinha acertado na decisão. Na época, era um trabalho voluntário pra valer, não tínhamos patrocinador, era por amor à causa. E ela abraçou o CineMaterna com amor e carinho de mãe, ajudou-nos a crescer e caminhar por próprias pernas.

Nossa porta-voz no Rio
Hoje coordena e está presente nas sessões do Rio, supervisiona as equipes do sul e centro-oeste, cuida da programação de filmes. Também é consultora em amamentação. E ainda encontra tempo para ser querida pela sua equipe de meninas de pink.

Surpresa de aniversário na sessão deste sábado
A partir da esquerda: Giulia no colo da Valéria, Renata F com Matheus,
Raquel, Bianca, Renata B e Alexandra
É verdade, não precisa de tempo para receber carinho! Feliz aniversário, querida. Obrigada por estar conosco!

sábado, 26 de fevereiro de 2011

A avó recomenda: CineMaterna faz bem à saúde

Essa foi a estreia do Pedro no CineMaterna. Veio acompanhado pela mãe Tatiana e pela avó Miriam. Esta, fã de tênis, me conheceu há dois anos na Costa do Sauípe, onde estávamos para acompanhar o Brasil Open. Em uma animada conversa lhe contei que fazia sessões de cinema para mães com bebês, e que eu ia com o Felipe (ainda bebê de 1 ano e pouco) e estávamos começando. Lembro que quando eu falava parecia ser algo surreal.... do tipo delírios na piscina sob o sol quente da Bahia. Mas Miriam adorou a ideia e levou muito a sério: guardou meu nome e na primeira oportunidade que teve - ela, que já tem quatro netos - trouxe o mais novo para curtir o programa.


A filha, bronzeada e recém-chegada da Bahia, onde assistiu ao mesmo torneio, fechou o ciclo e teve uma sessão clássica CineMaterna: Pedro dormiu, acordou, brincou no tapetinho e a foto foi tirada no café.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Bem bolado

Estava eu no cinema (novidade), quando entrei no banheiro e vi isto:


As luzes em volta do espelho se acendem com a presença de uma pessoa. Achei bem divertido, é a propaganda do filme Burlesque, musical que conta a história de Ali (Christina Aguilera) que sai do interior dos Estados Unidos e vai a Hollywood em busca da fama. Começa a trabalhar em uma boate, comandada por Tess (Cher), que a ajuda a realizar seu sonho.

Taís conta que ouviu duas adolescentes na frente do cartaz do filme perguntando: "quem é essa tal de Cher?". Ai, me senti velha. E por favor, não me conte se precisou olhar no hiperlink para saber quem é a Cher.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Míni-público em Curitiba

Semana passada estávamos no Shopping Mueller, em Curitiba, lançando mais uma sala com CineMaterna na cidade. O público do cinema nunca tinha visto tantos bebês juntos, ainda mais num lugar tão inusitado. Pois duas senhoras passaram por mim num momento em que o Eric estava chorando e uma delas comentou: "Este não gostou do filme!". Hahaha.

Algumas imagens do lançamento: é sempre gostoso conferir quase 90 bebês em uma sala de cinema!

Bem-vindas! - dizia Taís
Ana Paula reforçando o código de convivência

Sim, nós temos manobrista de carrinhos!
Enquanto a sessão não começa, farra no tapete!
E a sala foi enchendo...
Tá na tela!
Melhor forma de assistir a um filme...
... dormindo!
Mamães concordam que dormir é o melhor negócio!
Hora de trocar!
Equipe de Curitiba neste lançamento: Lidia, Sintya com Eric e Silvana
(faltou a Ana Paula, que está no começo das fotos)
A cada lançamento que vou, acho que já tirei fotos o suficiente, mas as imagens são tão únicas que não me canso de postá-las...

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Primeiro dia de trabalho

Ela era uma das mães mais assíduas do CineMaterna. Quase nunca perdia uma sessão do circuito Augusta e Frei Caneca. Chegava sempre alegre, com o espírito aberto, um jeito moleca, pronta para aproveitar o programa com a sua filha Cora nos braços. No cinema fez de tudo um pouco, amizades, tirou dúvidas e mais dúvidas sobre amamentação, horários de sono, introdução de alimentos, e foi passando por todas as fases... No bate-papo do café viu a Cora rolar, sentar até fugir engatinhando.

Renata (esq) e Ligia

Agora, com a Cora "vencida" ela passa para o outro lado do time e assume a camiseta rosa! Essa é uma recordação primeiro dia da Ligia na sessão como uma de nossas coordenadoras voluntárias, em que foi recebida pela veterana e amiga Renata Boulos. Mães que foram emaranhando suas vidas ao CineMaterna.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Estacionamento com vagas marcadas

Fazendo vistoria em um shopping de São Paulo onde lançaremos CineMaterna, vimos uma curiosidade no fraldário: um estacionamento de carrinhos de bebê, com vagas marcadas no chão.


Sim, na plaquinha está escrito "Estacione aqui seu carrinho"!


Imagino que deva ser porque há congestionamento em alguns momentos. O próximo passo é ter manobrista - nós já temos, hehehe!

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Marido ciumento

Essa foi escrita pela Fernanda, coordenadora-geral de Brasília.
Uma mãe veio ao cinema com seu bebê, sua cunhada e seu sobrinho. Ao final da sessão, estava muito feliz e tirava foto de tudo. A cunhada se aproximou e me disse: "Você pode tirar uma foto com ela? É que meu irmão, marido dela, não acredita que exista uma sessão preparada para mães e bebês, e as fotos vão provar que estivemos aqui e aplacar os ciúmes dele".
Será que ele vai acreditar nas fotos? :P

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Refazendo

O calendário de sessões foi feito no final do ano passado, mas vira e mexe, precisa ser ajustado.
Dá um certo trabalho ajustar
com uma "tecnologia" tão sofisticada
As mudanças são ocasionadas pela entrada de uma nova sala em cidade onde já existem sessões...

Eric já se acostumou com a tarefa e até se diverte
... ou pela mudança de frequência ou de dia de semana de uma sessão...

Detalhe do pé limpíssimo da Taís
... ou  por qualquer outro motivo para tornar o CineMaterna mais próximo do público e com sessões bem distribuídas geográfica e cronologicamente.

Sim, ela está sobre a mesa...

Definitivamente, é uma tarefa para profissionais!

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Bebê em maioria?

Pela primeira vez tivemos mais bebês que adultos em uma sessão. Olha só por quê:

Foto de Karin Michels

Esta é a Fátima, carinhosamente chamada por todas as mães de "vovó". Ela é mãe de Leila e avó de Téo e Lígia. Os quatro começaram a frequentar as sessões no segundo semestre do ano passado, não faltam a nenhuma sessão.

Leila voltou há trabalhar há 15 dias e "vovó" continua frequentando as sessões com os dois. O mais interessante é que todo mundo a ajuda com os gêmeos: uma pessoa carrega um, outra a ajuda a trocar fralda e assim vai. E não perdemos a companhia sempre animada da Fátima!

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Eu uso óculos!

E precisa dizer alguma coisa?

Téo e Lígia, cinéfilos de carteirinha - e de óculos escuros

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Musical

Gláucia chega para mim, empolgadíssima ao ver uma mãe com segunda geração de "CineMaterninho" no colo, e diz:  

A Marina, mãe do Tom, veio com o Chico. Só falta o Vinícius de Moraes!


A foto não ficou muito boa, mas este é
Chico, do alto de seus 24 dias!

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Parabéns pra você

 
Taís é nossa companheira e fundadora do CineMaterna. Este último ano astral dela não foi fácil e nem  tranquilo como ela aparenta estar aí na foto. Este foi dos seus raros momentos de folga, merecidíssimo depois do lançamento em Fortaleza. Ela está envolvida em cada etapa do nosso crescimento até o último fio do seu cabelo vermelho. Hoje é aniversário dela, e para comemorar, procurei fotos que mostram um pouco um outro "jeitinho" da Taís ser a Taís.

Taís viajando em uma entre tantas sessões
de Comer, Amar e Rezar...
Mais uma pegadinha...
Ela, que não bebe, ficou animadíssima tomando Fanta

Mãe em dois momentos CineMaterna
Com Anna Karuna,
sua filha cinéfila da primeira geração
Ninja, atacando de celular na praia

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Modelo de CineMaterna


Essa bonitona aí do lado é a Cinthia, mãe de Matheus e Bianca. Cinthia "nos achou" nos primórdios: viu uma reportagem na TV conosco (quando ainda éramos um grupo de amigas e seus bebês) e foi no cinema citado. Cruzou conosco e não nos largou mais! Ela está em vários materiais promocionais nossos: folhetos, anúncios, banner, site, matérias de jornal e revista, no Brasil e no exterior! Neste banner, que fica na Cinemark, é ela em primeiro plano, com seu filho Matheus, hoje com três anos.

Depois que Matheus "venceu", ela passou a integrar nossa equipe de coordenadoras de sessão. Engravidou e voltou a ser público com a Bianca, que acaba de fazer um ano. Já está na equipe novamente e ora trabalha, ora assiste filme com Bianca.

Agora sua mãe fará parte da equipe em Santos! Isso é que eu chamo de "família que abraçou a causa". Escolhemos a modelo certa, não?

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Rosas

Ando fazendo coleção de fotos de objetos cor-de-rosa, ou pink. Uma das mais interessantes foi esta:


Não sei dizer se é vestido de noiva, de madrinha, de formatura ou debutante.

Tive uma ideia: quando CineMaterna fizer 15 anos, vamos promover um baile em que as mães deverão aparecer de vestido rosa, como estes. Que tal?

;o)

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

O coração fica no peito II

Suzana escreveu este lindo depoimento e ficou escondido nos comentários do post abaixo. Resolvi torná-lo público, pois é uma verdadeira declaração de amor de mãe para filha.

Como mãe de primeira viagem, muitas vezes a gente erra tentando acertar. Comigo foi assim. Uma vez que eu escolhi o pediatra por afinidade, procuro seguir suas orientações (já que não tenho minha mãezinha pra me orientar). Só que o amor, muitas vezes, fala mais alto que a experiência profissional. Até entendo o ponto de vista dele, mas é difícil aceitar que um médico tenha a atitude de cortar esse vínculo mais sublime entre mãe e bebê. Eu amo amamentar, mas como tive que fazer uma cirurgia, o meu leite diminuiu e não é mais suficiente para alimentar a minha bonequinha. Mas a amamentação é muito mais do que o alimento, é o contato, o olho no olho, o toque, o momento de trocar carícias. Tendo isso em mente e no meu coração, acho que precisei de uma palavra amiga, como a de vcs, para conseguir tomar a atitude de voltar, nem que por um minutinho que seja, mas que, com certeza, vai fazer toda a diferença pra minha filha se sentir segura e amada pela mamãe que sempre estará ao lado dela. Talvez a Marcela seja a minha única filha, talvez ela perca o interesse pelo peito por conta própria, mas enquanto ela quiser vai ter esse carinho, nem que todo dia seja como chupeta mesmo, pois quando eu der conta, tudo isso já vai ter passado e não quero ter a sensação de que podia ter feito mais. Eu vou fazer mais agora e todos os dias.
Obrigada meninas! Obrigada por todos os encontros, todo o carinho dispensado, por serem uma válvula de escape nesse turbilhão hormonal e pelos conselhos experientes de quem tem puro amor pelas suas crias.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

O coração fica no peito

Quinta passada, uma mãe que é assídua frequentadora das sessões nos contou que desmamou a filha de cinco meses. O pediatra da sua bebê lhe disse que seu leite não estava mais alimentando-a, que a pequena faria seu peito de chupeta e se tornaria uma criança muito dependente. Ouvi isso com dor no coração. Meu leite alimentou exclusivamente meu filho por seis meses e continuou sendo complemento da sua alimentação até os dois anos. E hoje, aos três, é uma criança saudável e muito independente. Talvez tenha feito meu peito de chupeta em algumas ocasiões, sim, mas ele acomodado no aconchego do meu seio é um momento de carinho que vou guardar para sempre. Amamentar cansa, não é fácil, mas é um laço que é muito, muito especial, reservado só para nós, mulheres e mães.

Pois ontem, esta mãe veio na sessão, olhou para mim e disse: "Quer saber, voltei a dar o peito! Foi só encostar na boca dela que pegou imediatamente e começou a sugar. Dormiu em seguida. E daí que ela me faz de chupeta? Passa tão rápido!". Fiquei muito emocionada e feliz com a "rebeldia" dela. Estava diante de uma mulher forte que resolveu seguir seu instinto. E que vai levar sua filha em outro pediatra...