sexta-feira, 30 de abril de 2010

Fotos de feira???

Curitiba tem fama de ser uma cidade "arrumadinha". E Curitiba é, sim, uma cidade linda e muito arrumada. A ponto de eu fazer um ensaio fotográfico da feira de lá, de tão organizada e limpa que é. Ah, e não tem nem gritaria (ninguém te chama para provar melancia ou dizer que moça bonita paga mais barato - rs).

Vista geral, bancas padronizadas, rua limpíssima.

Vista de abacaxis, hehehe.

Olha que gracinha! Um "carrinho" de frios!

Sapato para uniforme do CineMaterna! Adivinhe qual deles?

Quer banana?

Tem até luz!

Caixas iguais às nossas! Para nós, estas caixas são para colocar fralda e deixar na sessão...

Onde tem bebê, estamos nós!

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Controle remoto

História contada pela Bianca, coordenadora geral do Rio:

Você perdeu uma fofa, a Elena (uma das nossas mais frequentes), pegando um brinquedo que parece um controle remoto, apontando pra tela do cinema e apertando, querendo "trocar o canal". E a gente se escangalhando de rir...!!!

Acho que a Elena não gostou do filme, hehehe.

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Experiência inesquecível

Textos inspirados valem ser reproduzidos. Este é da Deborah, nossa assessora de imprensa (cobrindo licença-maternidade da Alexandra):

Quem é mãe sabe da revolução que acontece na vida de quem acaba de ter um bebê. Choro, fraldas, amamentação a toda hora, noites e dias que se confundem. A mulher passa, nestes primeiros meses, a não ter mais vida própria, tudo gira em torno do bebê. Passeios sociais, culturais, são deixados, sempre, em um segundo plano. Mas o desejo de continuar fazendo os programas que eram feitos anteriormente continua presente na vida das mães.

Neste contexto, surgiu o CineMaterna, em 2008 com a proposta de oferecer às mães de bebês até 1 ano e meio a possibilidade de frequentarem sessões de cinema adaptadas à realidade desta nova vida, luzes ligeiramente acesas, trocadores na sala, ar condicionado mais ameno e a possibilidade de estar entre iguais.


Entre uma mamada e outra, os bebês que ficam ainda só no colo revezaram resmungos, gritinhos, sorrisos e boas cochiladas. Os maiores, que já querem o chão, deram um pouquinho mais de trabalho, mas quem estava lá garante: sentados ou andando atrás de bebês que começam a descobrir o mundo, a experiência é inesquecível.

sábado, 24 de abril de 2010

Vovó e neto debutantes

Esta é a Marcia, seu filho Thomas e sua mãe. Eu estava fotografando a sessão, que foi um presente do Market Place, em SP, quando ela, timidamente, veio me pedir para tirar uma foto sua, pois esquecera a máquina. Só depois é que fiquei sabendo da história toda, pelo seu blog (mensagem aqui editada):

Na última quinta-feira fomos ao cinema com a vovó. Mas não é um cinema com um monte de gente chata que nem se fala, e simplesmente entra, senta e começa a assistir um filme. Não. É um cinema pra pessoas legais, que trocam figurinhas, conversam sobre coisas do cotidiano, e sobre bebês. É. Sobre bebês! Essas criaturinhas que nos deixam de cabelos em pé de vez em quando, mas que também são o motivo da nossa felicidade todos os dias!

Trata-se do CineMaterna, um espaço bacana para mamães (e papais, e titios(as), avós, dindos…) com bebês de até 18 meses.


Vovó nunca tinha ido ao cinema, e ficou me perguntando milhões de coisas.
Sentamos, vovó colocou o Thomas no colo, e nós três comemos muita pipoca! Thomas começou a querer ir pro chão e brincar com as luzinhas dos degraus. Deixei. Claro, por que não deixaria? Afinal a diversão tinha de ser pra ele também. Ficava andando se segurando nas poltronas, e queria pegar mamadeiras e afins que estivessem no porta-copos!!! Brincou tanto que cansou! Voltou pra casa dormindo um soninho bem gostoso, por que afinal, o passeio foi demais, e valeu muito a pena, por que a vovó curtiu bastante, e a mamãe então, nem se fala, né?

Adorei o comentário sobre ser uma sessão "de pessoas que se falam". Nunca tinha pensado nisso!

E fiquei emocionada em saber que era a primeira vez da mãe da Marcia no cinema. É uma honra apresentar o universo da sala escura e tela grande, ainda mais nestes tempos de pirataria. Espero que ela tenha gostado e volte sempre.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

As Melhores Coisas do Mundo

Estava louca para ver As Melhores Coisas do Mundo:

Mano tem 15 anos, adora tocar guitarra, beijar na boca, rir com os amigos, andar de bike, curtir na balada. Um acontecimento na família faz com que ele perceba que virar adulto nem sempre é tarefa fácil: a popularidade na escola, a primeira transa, o relacionamento em casa, as inseguranças, os preconceitos e a descoberta do amor. Em meio a tantos desafios, Mano descobre e inventa As Melhores Coisas do Mundo.

Meu marido perguntou: "quer ver filme para adolescente"? Sim, pode ser encarado como filme para adolescente, mas acima de tudo, é filme sobre a adolescência. E um excelente filme, que recomendo a todos os pais e mães de futuros (ou atuais) adolescentes que assistam.

O filme foi inspirado na série de livros “Mano”, de Gilberto Dimenstein e Heloisa Prieto. Diretora (Laís Bodanzky) e roteirista (Luiz Bolognesi) fizeram uma ampla pesquisa com adolescentes de diversas escolas do universo retratado: a classe média. O resultado é um belo retrato da adolescência atual, com blogs, sms's bullying, e as angústias e aprendizados desta fase tão especial da vida. Adolescência é um tema sempre intrigante e confesso que tenho um pouco de apreensão do que me espera quando meus filhos chegarem a esta fase. Fico pensando como eles serão, e principalmente, como eu serei. Não que ser mãe de uma criança seja fácil - tem seus desafios diários. Mas eu já fui adolescente e digamos que não fui nada fácil...

Emocionei-me em diversas partes do filme e não deve ser só porque estou grávida. O bebê que espero é um menino, ou seja, serei mãe de dois meninos, e no filme, Mano, o protagonista, tem um irmão, e a história gira em torno de suas vidas. Com direito a lindos momentos da relação deles com a mãe...

Este é o terceiro filme da Laís Bodanzky, uma diretora que cruzou meu caminho no CineMaterna algumas vezes. O primeiro filme que meu filho "assistiu", ainda nos "tempos de guerrilha" do CineMaterna, foi Chega de Saudade, seu longa anterior. Um mês depois do lançamento oficial do CineMaterna, o filme (escolhido pelo público) passou novamente no aniversário de 1 ano do Max, comemorado no cinema. Foi mera coincidência. Bodanzky comentou sobre o CineMaterna em um dos melhores e mais completos programas feitos sobre nós (veja aqui - aliás, reportagem feita no dia do aniversário do Max, em que passava Chega de Saudade - até hoje não sei se a entrevistaram porque o filme era dela). E eu vi a equipe de filmagem de As Melhores gravando uma cena do lado da minha casa. Só soube que era um filme dela porque a vi na rua. Deixei você confusa(o) neste parágrafo? Pois acho que é assim que me sentirei na adolescência dos meus filhos: muita informação cruzando meu caminho!

terça-feira, 20 de abril de 2010

Coisas que eu não sabia sobre ser mãe - antes de me tornar uma

Que a gravidez pode ser um "saco" e não "algo maravilhoso"
Que as mulheres ficam desmemoriadas na gravidez e um pouco mais depois que se tornam mães
Que o leite materno leva um tempo para descer
Que amamentar não é instintivo e pode ser muito difícil (e doloroso, no início)
Que os primeiros meses com um bebê podem não ser exatamente os melhores da nossa vida
Que cocô de bebê pode render muito assunto

Como é indescritível a sensação de um bebê mexendo na barriga
Como é maravilhoso receber um filho nos braços
Como é bom o cheiro de um filho
Como é emocionante acompanhar seu constante desenvolvimento
Como é possível amar mais e mais
Como é especial ser chamada de mãe

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Simpático

Aconteceu em Santo André, relato da Drica, coordenadora geral de lá:

Um rapaz comprou ingresso pela internet e veio me perguntar porque tinha bebês na sessão, o que estava acontecendo... Aí eu expliquei o projeto e lhe disse que se ele quisesse, poderíamos ir na bilheteria para trocar seu ingresso para outra sessão ou outro filme. Ele disparou: "Que nada, isso é o maior barato!" e ficou até o fim, todo feliz!! Rs

sexta-feira, 16 de abril de 2010

A melhor equipe do mundo

Em nosso cadastro no site existe um campo onde é possível colocar como conheceu o CineMaterna. É um dado muito importante para nós, saber de onde as pessoas "nos descobrem".

Eis que recebo vejo uma resposta assim: Conheci o CineMaterna através da Kivia, que me abordou no Downtown.

Escrevi para a Kivia, coordenadora na Barra, Rio, e ela me contou:
Estou saindo de casa às 10h, pra chegar mais cedo ao Downtown (antes de 11h) e aí começar a panfletagem. Assim eu tenho tempo suficiente pra panfletar/passear, almoçar e estar pronta pra me apresentar no cinema às 13h.

Ela não é o máximo? Para me deixar emocionada de verdade, no dia 2 de abril, recebi um lindo e-mail dela:

Queridas, que alegria! Exatamente um ano atrás, o CineMaterna chegava ao Rio de Janeiro... Eu estava tão animada que cheguei até cedo demais.

O tempo foi passando, e eu e Filipe participamos de quase 20 sessões em 2009. É uma delícia recordar isso hoje!


Agora, tenho o prazer de fazer parte do staff no Cinemark Downtown. É uma honra pra mim, pois é um projeto em que eu firmemente acredito. Não posso ver uma grávida perto de mim, seja aqui no condomínio, seja no ônibus, seja no médico, seja no shopping, seja na praia! Estou sempre com folhetos... E não consigo parar! E o retorno é garantido! Já teve mãe que me disse: "obrigada, você fez sua boa ação do dia, pois tudo o que eu queria era voltar a frequentar o cinema como antes!". Não é demais?


Sim, Kivia, você é demais! Eu não canso de repetir como é incrível conseguirmos uma equipe de voluntárias como ela, que realmente, "vestem a camiseta"!


Não é preciso treinamento, premiação, benefícios, nenhum dos recursos que as empresas tanto investem para motivar seus funcionários. Nós simplesmente somos CineMaterna, fazemos o que acreditamos.

Kivia, de camiseta branca no meio (e seu largo e lindo sorrido), com Filipe, cercada de suas amigas, no dia do lançamento em Botafogo. Aliás, tem mais uma desta turma que vai trabalhar conosco, né Quel?

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Pum

PUUUM! Ouve bem nitidamente no meio do filme. Um bebê, que estava "escalando" a escada no meio do cinema, dá uma risadinha. E todos em volta caem na gargalhada. Onde você testemunharia um pum público no cinema gerar tanta simpatia?

terça-feira, 13 de abril de 2010

Mais bebês nascidos!

Por falar em explosão demográfica no CineMaterna, não comentei que a equipe aumentou em Campinas. Há menos de um mês, nasceu a filha da Victória, que já era mãe de um menininho. Ela, aliás, é prima da Julia, que é da equipe de Brasília e está grávida, também de segundo filho.

Realmente, precisamos inaugurar CineMaterna na Europa para aumentar a taxa de natalidade por lá...

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Três Renatas

Terceira Renata da equipe carioca a ter bebê, esta mulher franzina deu à luz a um menino enorme: Théo nasceu com 4.350g e 53 cm, num parto normal muito desejado por ela, depois da primeira ter sido cesárea.

Em breve, promoveremos um encontro de Renatas-que-trabalham-no-CineMaterna-do-Rio-e-tiveram-bebês-recentemente! Vai ser uma verdadeira convenção! Imagine os crachás: Renata B, Renata D e Renata F. Ah, esta é a Renata Deprá, mãe de Dandara e agora, do Théo.

Com passagem, mas sem documento

Aeroporto lotado. Alexandra estava eufórica não só em poder viajar conosco, mas com a primeira viagem de avião do Jonas. A fila de prioridade estava enorme e a de clientes preferenciais também. Quando finalmente chegamos ao balcão, o atendente pediu os documentos, inclusive do Jonas. Alexandra fez uma cara de "puxa-é-mesmo-nem-lembrei!", e eu senti que ela gelou. Taís e eu tratamos de acalmá-la para ela conseguir falar com a mãe dela, que estava em casa com o Felipe, seu filho mais velho, e poderia trazer o documento. Só que provavelmente não daria tempo de ela e Jonas embarcarem conosco. Alexandra murchou, afinal, a diversão era irmos juntas.

Taís e eu entramos para a sala de embarque, Alexandra ficou esperando sua mãe. E não é que o voo estava atrasado? Atrasou quase uma hora, tempo suficiente para a mãe da Alexandra chegar, elas se desencontrarem, ficarem (mais) desesperadas, fazer o check-in e Alexandra entrar esbaforida. Para embarcar no mesmo voo que o nosso. E deu tempo ainda do Jonas vazar a fralda, molhar minha calça e eu sair correndo para o banheiro para trocá-lo, já que Alexandra estava ao telefone, trabalhando.

Depois, Alê ficou sabendo do que aconteceu na casa dela e nos contou em um e-mail intitulado "Iluminado":

Minha mãe, no desespero de achar a certidão de nascimento do Jonas, não conseguia enxergar o nome no documento, para saber de quem era. Com a intervenção do Felipe, ela conseguiu: "Tá aí em cima, vovó!", disse Felipe, apontando com o dedinho...

O danado não tem três anos, não sabe ler... Mágicas que só acontecem em lançamentos...

Ao final, nunca ficamos tão felizes com um atraso!

Jonas, garantindo lugar com seu cartão de embarque.

Tomando banho para ficar cheiroso para o lançamento.

Fazendo pose para a Natura Mamãe e Bebê.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Lançamento em Brasília!

Chegamos à décima cidade: Brasília, Capital Federal! Número 10, não é incrível?

Nossa aventura começou no aeroporto. Sempre temos uma história emocionante para contar. Alexandra fez sua primeira viagem com Jonas, que nem tem três meses ainda e já trabalhou e curtiu muito o CineMaterna. Alexandra estava tão feliz em viajar, que esqueceu o documento do Jonas! Ah, essa história vai ser contada depois. Eis Alexandra, com Jonas, e Taís, antes de percebermos a falta do documento.


Desta vez não tem foto da nossa imensa bagagem. Resolvi resumir com uma imagem da minha passagem com seis comprovantes de bagagem!


Chegamos a Brasília com um arco-íris nos dando as boas-vindas. Sinal de sorte? Certamente!


Uma curiosidade: a Taís adora buscar as melhores ofertas em passagens aéreas e hoteis. Seu lado engenheira entra em ação para fazer a melhor combinação custo-benefício (um dia ela vai abrir uma agência de viagens). E ela conseguiu um hotel bem bacana, com um quarto que tinha uma linda vista:


Só quando amanheceu é que percebi o que era a vista, tão conhecida por fotos:


O lançamento de Brasília precisou ser adiado por causa de uma reforma no cinema, que atrasou. E como a divulgação do lançamento continuou, os convites para o lançamento se esgotaram rapidamente. Um detalhe de bastidor: a lotação de uma sala é medida por nós em decibeis e não pela quantidade de assentos disponíveis. Explico os decibeis: imagine 300 bebês dentro de uma sala de cinema, por duas horas, produzindo sons ou 10% deles chorando ao mesmo tempo. Lançamentos já têm nível de ruído um pouco mais elevado que uma sessão regular, por receber mais gente. Queremos que todos fiquem confortáveis, em bons lugares, que as mães possam acomodar sua sacola (que nunca é pequena - rs), e possam, é claro, curtir o filme. Por isso, precisamos limitar a quantidade de pessoas, mas contando que muitas têm imprevistos de última hora e não vão. Não é uma equação fácil, dá um frio na barriga gerenciar o limite, mas deu tudo certo!

Na hora da sessão, caía uma chuva torrencial em uma parte da cidade. Acho que valeu a pena fugir da chuva, não?


O estacionamento de carrinhos é sempre uma atração à parte.


Jonas trabalhou direitinho: ficou comportadíssimo, vendo a Alexandra trabalhar.


Agora, Brasília só precisa encontrar um governador que trabalhe como a nossa equipe, hehehe. Deborah (assessora de imprensa), Fernanda, Tatiane e Marina foram ótimas! Parecia que já sabiam fazer lançamento.


Mães (e pais) de Brasília, muito obrigada pela receptividade. Esperamos vocês no dia 20 de abril, na primeira sessão regular.

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Declaração de amor

Li este comentário sobre nós, escrito por uma mãe. Simples, mas direto no coração!

É incrível. Sem palavras. Só indo pra saber :)
O clima é divino, o amor das organizadoras na preparação das sessões é palpável.
Cada bebê liiindo!!!

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Damos colo

A Gláucia é uma das maiores "coleiras" que eu conheço. Por "coleira", entenda-se "a que dá colo". Ela não só ama estar com um bebê no colo, como tem uma capacidade ímpar para embalá-los.

Taí, um dos novos serviços CineMaterna: damos colo e embalamos o seu bebê também. Sem contar que a camiseta rosa também serve de babador! rs

sexta-feira, 2 de abril de 2010

CineMaterna internacional

Brasileiras pelo mundo que já nos consultaram para implementar CineMaterna:

Amsterdam (Holanda) - pode ser Rotterdam, que tem festival de cinema
Barcelona (Espanha)
Berlim (Alemanha)
Buenos Aires (Argentina)
Colônia (Alemanha)
Lisboa (Portugal)
Paris (França) - essa foi proposta de duas francesas, que já nos garantiram que temos até cinema - na Champs Élysées, uma das regiões mais sofisticadas da cidade! Chique demais!