segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Cabine de projeção


Já viu uma cabine de projeção de filmes por dentro? Em alguns cinemas que frequentamos, nós conseguimos ir na cabine e ver o funcionamento. É lindo ver a película seguindo seu caminho entre diversas bobinas e sendo projetado na tela.

Hoje em dia, há muitos filmes digitais, que não precisam da película, que é este grande rolo que se vê nas bandejas.


Dizem que o projecionista, pessoa que prepara as películas e fica nas cabines de cinema, é uma profissão em extinção porque em alguns anos, todos os filmes serão digitais. Não tenho conhecimento técnico para opinar, mas que seria uma pena perder este visual, seria.

domingo, 29 de novembro de 2009

Julie e Julia

Assim que fechou a programação semanal de filmes no CineMaterna, olhei para meu calendário e percebi que acompanharia quatro sessões de Lua Nova e nenhuma de Julie e Julia, um filme que estava louca para assistir. Apesar de ter duas sessões do filme programadas, eu não estaria presente em nenhuma delas. Overdose de um filme e carência total de outro... O jeito seria assistir o filme fora do CineMaterna.

Eis que descubro que Julie e Julia ia passar na sala ao lado da nossa, ontem, sábado. Exatamente no mesmo horário, praticamente o mesmo tempo de duração de Lua Nova. Ou seja, daria para receber o público, fugir para a sala ao lado e ainda voltar e ajudar a recolher nossos equipamentos no final da sessão.

Como estávamos em quatro pessoas do CineMaterna, nos dividimos. Duas ficaram com nosso público e Alexandra e eu fugimos para a sala ao lado, que estava mais-que-lotada. Sentamos no chão, ela, sua barrigona e eu. Apesar do lugar desconfortável, Julie e Julia é um filme tão delicioso (literalmente), que nem sentimos passar. Agora posso assistir Lua Nova sossegada. Afinal, tenho mais três sessões pela frente, hehehe.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Salada em voo

Cansadas de comer amendoim e bolacha em avião em pleno horário de jantar, resolvemos nosso problema desta forma:


Sim, embarcamos com salada!!! Como tudo para nós é motivo de risadas e registros, tiramos uma foto de nossa saudável refeição noturna, com Taís de modelo.

Mais barato do que pagar passagem de primeira classe em busca de melhor refeição!

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Dora e a Lua

Relato emocionado da Bianca, nossa coordenadora do Rio:

Renata veio a nossa sessão no Rio com sua linda bebezinha de dois meses ao colo... Ela entrou em menopausa precoce depois do nascimento de seu primeiro filho, hoje com cinco anos, por conta de um câncer que tinha desenvolvido (e curado) alguns anos antes. Ficou extremamente triste pois não poderia ter mais filhos. Continuou acompanhando e fazendo terapia de reposição hormonal para não sentir os sintomas da menopausa. Inscreveu-se na fila de adoção, pedindo uma menina, pois seu sonho era um casal. Há alguns meses começou a se sentir fraca, indisposta, sempre cansada e achou a barriga um pouco inchada. Às vezes sentia pontadas, tomava analgésicos e quando enjoava, achava que tinha comido alguma coisa errada. Até que um dia sentiu-se muito mal, muitas dores, achou a barriga inchada demais e resolveu ir a um PS. Na emergência, a médica sugeriu um ultrassom. É isso mesmo que você está imaginando: lá estava a menina dos sonhos dela, aos cinco meses de gestação! Ao chegar em casa, o marido perguntou como foi no médico, o que havia com ela? Ela respondeu: "É a Dora!" - eles já tinham escolhido esse nome para uma menina há tempos, antes de saber que não poderiam mais engravidar. Ele se segurou na parede e começou a chorar...

Renata ligou para o ginecologista, que levou um susto. Revisou os exames anteriores e reforçou que com as taxas hormonais dela era praticamente impossível ela ovular, mas que talvez tivesse sido um espasmo, enfim, uma loteria. A gravidez correu tranquila mas... Dora estava pélvica. Renata ficou chateada que não teria um parto normal, mas acabou se conformando. Até que... no meio da aula de yoga, 10 e pouco da manhã, sua bolsa estourou. Contrações fortíssimas, muito próximas. Recolheu suas coisas e foi direto pra maternidade. Quando chegaram lá, o bumbum da Dora já estava coroando! Não deu tempo de nada: anestesia, episiotomia, nada. A Dora veio ao mundo às 11h49, naturalmente, de bunda pra lua.

domingo, 22 de novembro de 2009

Família moderna

Karina, mãe da linda Maria, começou a vir nas sessões pouco antes do lançamento oficial, há mais de um ano. Blogueira, fotógrafa, moderna, estilista, costureira, tem uma família, digamos, "inusitada". Conheci porque numa sessão com filme infantil veio ela e Maria, sua mãe e a filha dela (portanto, irmã da Karina) de três anos. Deu um nó na minha cabeça, sua mãe é muito jovem, parecia sua irmã.


Glória, 3 anos, tia de Maria, 1 ano. Antigamente, isso acontecia nas famílias muito grandes, quando o primogênito tinha um filho e a mãe ainda não tinha "encerrado a produção". De repente, vejo a família da Karina e acho ultra-moderna, quando está repetindo algo que acontecia um século atrás.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Lançamento em BH!

Lançamento é sempre sinônimo de muitas caixas. São fraldas e acessórios, revistas, brindes, brinquedos, banners, tapetes EVA, folhetos, camisetas... Sem contar os trocadores, que são comprados na própria cidade. Ah, e o barrigão da Alê, hehehe.


No aeroporto de Belo Horizonte, a menina que coordenava os táxis estava gravidíssima, no mesmo tempo de gestação que a Alê, com uma camiseta pink da cor do nosso "uniforme"! Claro que rendeu uma imagem, com direito a etiqueta de bagagem na barriga da Alê.


Deixamos tudo no cinema, pegamos os trocadores, fomos para o hotel e nos deparamos com um pequeno problema: por um engano, nossa reserva foi feita para o dia seguinte. Começamos a tentar outro hotel, ligamos para uns 20 e percebemos que o pequeno problema era grande. Havia um congresso de medicina, a cidade estava abarrotada. Depois de uma hora, finalmente uma vaga! Quando chegamos na recepção do tal hotel, talvez não fosse bem um quarto que estivesse disponível, mas acho que olharam as três desesperadas, incluindo uma grávida em pânico e deram um jeito.

Mais aliviadas, ainda estávamos no balcão da recepção, quando começa a cair uma forte chuva lá fora. Temporal para valer, acaba a luz, nossos planos de sair para jantar vão literalmente por água abaixo. Nem subimos pro quarto, vai saber se os elevadores não vão parar no meio do caminho? Dali a pouco, volta a luz, mas fica aquela instabilidade. Resolvo ir à porta só para fotografar a chuva que chove por todos os lados, em todas as direções...


Depois de jantar no hotel, o gerador garantiu nossa ida de elevador ao quarto. Tomamos banho no escuro e a luz voltou bem na hora em que deitamos.

Dia seguinte, chega de contratempos. Fomos para o cinema e encontramos logo cedo nossa equipe de sotaque mineiro. Um agradecimento carinhoso a estas mulheres e mães que serão a cara do CineMaterna em BH. Fiquei muito feliz de confirmar que acertamos na escolha desta equipe tão especial.


O público mineiro chegou cedo, as mães foram conhecendo a sala, encontraram amigas, deram entrevistas, tiraram fotos, levaram família, duas gestantes se conheceram e saíram da sessão batendo papo... Ainda estava nos trailers, aproveitei a iluminação de uma das TV's que estava cobrindo o lançamento e tirei uma foto para ilustrar o clima.


Teve um momento que eu estava de costas para o filme, ainda na função da organização, quando levei um susto com a explosão de risadas com um cena engraçada. Foi recompensador e emocionante ouvir aquilo, afinal, são momentos assim que queremos proporcionar...


9h10 da manhã do dia seguinte, o primeiro depoimento chega a nós, escrito por Adriana, mãe de Helena, que tem 4 meses:

Estamos aqui , Helena e eu felizes da vida com o programa de ontem! Estreia do CineMaterna em BH. Confesso que tive muito receio de ir e quase desisti. Tive medo da minha filha chorar, de eu ter de sair com ela e atrapalhar outras pessoas. Fui e amei! O clima é excelente, mães e bebês em total sintonia, a acolhida das organizadoras é fantástica. Nota 1000! Emocionei-me com a Helena, seus olhinhos curiosos tentando absorver todas as novidades! Ficou quietinha no meu colo e adormeceu, eu aproveitei o filme e ainda curti o soninho dela no meu colo. Tem coisa melhor que isso?

A bebê da foto abaixo não é a Helena, mas acho que ela e a mãe também curtiram a sessão...

Uai! O trem em Belzonte foi bão...

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Na moda

Estas são Lígia e Cora, frequentadoras assíduas da sessão de terça em São Paulo. Quando vieram assistir Coco Antes de Chanel, Cora veio a caráter. Dá uma espiada no body:



O mais engraçado foi a Lígia contando que precisou explicar para o marido o que é um "pretinho básico", hehehe.

sábado, 14 de novembro de 2009

Programa de fidelidade

Esta é a Helena, que completou 18 meses outro dia... É o bebê que mais frequentou CineMaterna, vem desde seu primeiro mês de vida, veio a quase todas as sessões às terças em São Paulo, mais alguns sábados. Interrompeu recentemente porque a mãe, Ligia, atriz, retomou a carreira e me contou com o coração apertado que o dia que o grupo encontrou para ensaiar foi terças à tarde. E eu ouvi com o coração igualmente apertado. Mas para minha alegria, quando um ensaio é cancelado, elas aparecem de surpresa.

Além da ligação emocional que tenho com as duas, o pai da Helena produziu nossa vinheta de convivência, que passa antes da sessão em alguns cinemas.

O fato é que a Ligia não vai precisar interromper suas sessões por muito tempo. Está grávida de uma sementinha, daqui a alguns meses estará de volta! ;o)

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Paquera

Ah, hoje é o dia que os bebês trocam telefone!

Comentário feito por um funcionário de loja, ouvido por uma mãe que caminhava do cinema para o café, com sua bebê no colo.

Eu, terrorista

Mais uma de minhas crônicas de voo...

Antes de ter um patrocinador fixo, algumas empresas marcavam presença na sessão de lançamento, que é sempre um evento muito especial. Para estes parceiros, fazíamos uma etiqueta grande, que colávamos no topo do nosso banner que fica no cinema. Depois do lançamento, o adesivo é retirado. Acontece que a cola do adesivo é muito forte e, ao ser retirado, ficava grudando e melecado. Eu sabia que água raz tira a cola dos adesivos, mas é muito fedido e eu não tinha em casa. Daí, pensei que qualquer substância com solvente deve tirar este tipo de cola. Ahá! Descobri que acetona tira cola.

Toda esta introdução para justificar minha versão "terrorista de voo".

Esta história aconteceu há algum tempo. Não contei antes com receio de ser presa, hehehe. Estávamos Alexandra e eu indo para um lançamento em uma determinada cidade. Chegamos atrasadas no aeroporto, acabamos pegando uma van para chegar no avião, que não estava em um finger. Aliviada por não termos perdido o voo, mostrei para a Alexandra o que eu estava levando na caixa que era a minha bagagem de mão, inocente e feliz: um frasco com um pouco de acetona. A Alê arregalou os olhos e imediatamente me dei conta da grave infração que estava cometendo: é absolutamente proibido em voo por ser inflamável! Joguei o frasco para dentro da caixa e começamos a rir nervosamente. Não quisemos arriscar de sermos vetadas do voo e ficamos caladas sobre nossa (minha) contravenção.

No meio da viagem, fiquei com frio e quis pegar meu casaco, que estava dentro da caixa, no compartimento superior de bagagens. Ao abrir a caixa, senti o cheiro: com a pressão, a acetona vazou do frasco. Coloquei o frasco num desses saquinhos de vômito que tem no avião, amarrei, joguei novamente dentro da caixa, a colocamos no compartimento de bagagem e fechamos rapidamente a porta. Vesti meu casaco e só então percebi que estava impregnado daquele cheiro forte. Não tinha como as pessoas em volta não perceberem, mas ninguém - felizmente - falou nada. E eu, zonza com o aroma.

Ao aterrissarmos, ríamos só de pensar no cheiro que iria empestear o ambiente ao abrirmos o compartimento de bagagem. Para nossa sorte, ninguém abriu, esperamos todos saírem e só então, tiramos a caixa e saímos correndo.

Até hoje, Alexandra, Taís e quem conhece esta história e meu passado de terrorista de bordo comenta e ri da minha brilhante ideia. Como se não tivessem muitas farmácias em qualquer cidade, sendo que todas vendem acetona, baratinho...

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Blecaute

Adivinha onde eu estava ontem, na hora do blecaute? Claro, no cinema. Tinha ido com meu marido assistir a um filme, e na saída, tinha uma muvuca no saguão, era pré-estreia de outro filme. Dei de cara com a sócia do cinema, que nos convidou a ficar. Mal o filme começou, ficou mudo, acenderam as luzes de emergência, expectativa geral... Puxa, falha no cinema? Não, disseram que era no shopping, tínhamos que sair da sala e aguardar no saguão. Resolvemos ir embora, já que estava tarde, e eu teria que viajar hoje, vai saber quando volta a luz. Saímos do shopping, achamos que o problema era no bairro. Não precisou muito para percebermos que a extensão da falta de energia elétrica era grande.

Bom, 16 andares de escada acima, o que nos salvou em casa foi uma lanterna do CineMaterna...

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Mãe que ainda não é

Esta é a Alessandra, coordenadora geral das sessões de Porto Alegre. É a única pessoa da nossa equipe que não é mãe (ainda). Ela não se ofereceu para trabalhar conosco, nós é que convidamos. E foi uma escolha mais que certeira: carinhosa, dinâmica, peciente, calma, muito competente e responsável, o que nos dá a tranquilidade que o público gaúcho está em boas mãos. Uma certeza que não tem preço, como diria um certo cartão de crédito - rs.

Alê trabalha com shantala, yoga para gestantes e mães com bebês, promove rodas de conversa, auxilia no pós-parto. Adora a maternidade, está sempre envolvida com mães. E tem muito jeito com bebês. A da foto estava inquieta, irritada, e foi a Alê pegá-la no colo, balançar um pouquinho e o resultado essa gostosa soneca.

sábado, 7 de novembro de 2009

A Turma do Fundão

Já que falamos de bastidores, vou postar aqui uma foto da "turma do fundão". Assim que começou o patrocínio da Natura, reunimos toda a equipe dos bastidores para ajustar nosso funcionamento interno, que não é nada simples.

Atrás, a partir da esquerda:
Alexandra, assessoria de imprensa
Bianca (que fica no Rio), programação de filmes e coordenação de cidades fora do estado de SP
Taís, estratégia e marketing
Gláucia, coordenação de cidades no estado de SP e logística
Alinye (com Pedro), comercial

Na frente:
Juliana, site
Irene, programação de filmes, site e relacionamento com público

O resultado disso: sessões de cinema amigáveis para mães com bebês chegando a várias cidades do Brasil...

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Mais um com um ano...

O primeiro ano na vida de uma mãe é um marco. Claro, na vida do bebê também, mas é na nossa memória que ficam as lembranças de um tempo tão repleto de recordações e que não volta mais. É um período que eu chamo de montanha russa de emoções: alternamos alegria, angústia, ternura, medo, êxtase, entre outras tantas... Conhecer-se como mãe é algo único e deve ser diferente a cada filho.

Mais um bebê fez um ano e comemorou no café, em São Paulo: o Pedro, filho da Alinye, que trabalha no comercial do CineMaterna. Quieta e calmamente, Alinye aproximou-se de nós quando mal tinha começado a frequentar as sessões, oferecendo-se para trabalhar conosco. Até que chegou o dia que a convidamos para fazer parte da "turma do fundão", nossos bastidores, a porção que o público em geral não conhece, mas que é a engrenagem que move o CineMaterna.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Saudade saudade

Estamos em Brasília, fazendo vistoria no cinema, entrevistando equipe, fazendo contatos na cidade. Chegamos ontem, partimos hoje. Acabei de receber um e-mail de uma amiga, com foto de mim com meu filho. De repente, me veio uma saudade do cheiro dele!!! E um aperto no peito, um nó na garganta, vontade de voltar para casa correndo. Não... melhor ir de avião, né?

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Acabou...

Ontem foi meu último dia de Mostra. Ainda tem mais dois dias, mas estou em viagem de trabalho. Do pacote que comprei, de 20 ingressos, assisti 19. Achei que não conseguiria usufruir plenamente do pacote nas curtas duas semanas, uma vez que além desta viagem que estou fazendo, teve o lançamento de Santos, uma viagem pessoal e um filho para cuidar (claro que contei com a ajuda da família).

Ah é, contando com a sessão CineMaterna na Mostra, foram 20 filmes. E a coincidência de que o primeiro filme que vi, francês, era com o mesmo ator (Sergi Lopez) do último filme, catalão.

Claro que deve ter gente lendo isso e me achando uma doida varrida. E olha que estou longe de ser da turma dos "verdadeiramente aficionados"! Tive sorte: vi somente um filme que não gostei, vários bons e alguns excelentes - que fazem valer a pena ser cinéfila e curtir um evento como esse.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

São Paulo ou Paris?

Algumas semanas atrás, Belo Horizonte. Vistoria do cinema, reunião com o shopping, entrevista com candidatas a coordenadoras de sessão. Tudo pronto, viagem para casa...

Chegamos no aeroporto em cima da hora. Só conseguimos três assentos no meio, as três separadas. Tínhamos apenas bagagem de mão e a moça no balcão de embarque nos informa que vamos pegar uma conexão internacional, nada de líquido ou pastoso acima de 100 ml, tem que estar em saquinho transparente vedado, blábláblá. As três, Alexandra, Taís e eu, acenamos que estava tudo certo.

Portão de embarque, o moço reforça, NADA NADA NADA de líquido ou pastoso? Para uma mãe, o tema líquido ou pastoso rende uma conversa escatológica. Mas ali, ele quis dizer hidratante, protetor solar, xampu, condicionador, gloss, enfim, os muitos cacarecos de uma mala feminina. E ele estava diante de três. Ali mesmo, no portão de embarque, três moças de fino trato abrem suas malas e começam a sacar seus apetrechos de viagem. Tudo certo, passamos no raio-X, Alexandra ri porque sobrou um líquido-ou-pastoso na sua bolsa e ninguém falou nada.

Estou olhando para a TV que mostra os destinos e portões e vejo "São Paulo". Viro o rosto e quando olho novamente: "Paris"! Oba, vamos esquecer que nosso destino é São Paulo e seguimos viagem a Paris! Isso rendeu ainda muitas piadas entre as três bem humoradas viajantes.

Estamos entrando no avião, Alexandra com seu barrigão de grávida, a comissária olha para ela e diz: "pode ficar aqui", apontando para os primeiros assentos, classe executiva. Alê, muito solidária, diz que está conosco e nós insistimos que ela fique. E a comissária olha para para as três e diz que também podemos ficar, porque tem lugar. Mal conseguimos conter a excitação. Foto para registrar o momento!

Nos instalamos nas poltronas largas e fundas de couro e noto que para a pessoa pequena como eu, os pés não alcançam o chão! Claro que virei motivo de piada, que rendeu mais fotos.

Quando vi, todas resolvem abrir seu computador e trabalhar. Não era só de pose, mas o voo era tão curto que mal deu tempo de fazer qualquer coisa. Eu que fiquei fotografando, então...


Resolvi meu problema dos pés balançando, colocando minha própria mala sob eles. Detalhe: eu mesma tirava as fotos dos meus pés, me contorcendo toda, porque estava longe da Alê e Taís e elas não conseguiam tirar para mim.

Não serviram champagne nem caviar, mas valeu a diversão. Rimos como crianças. E intrigamos o passageiro do meu lado, que não entendeu nada porque a japonesa (eu) tirava tantas fotos. Deve ter pensado que faz parte do DNA oriental.

domingo, 1 de novembro de 2009

Lançamento em Santos!

Como foi o lançamento em Santos? Chovia torrencialmente lá fora, mas no cinema, vários bebês dormiam calmamente.

Bom, nem todos... Alguns circulavam pela sala incessantemente. Que dormir, que nada, o legal era explorar aquele ambiente.

Nada como trocar fralda e assistir filme...

Antes da sessão começar, tiramos nossa foto da equipe. A partir da esquerda: Taís, Adriana, Thaís, Nicole, Ana Paula, Gláucia, Bruna, Cinthia, Alexandra e eu.

Éramos cinco "rosinhas" da equipe de Santos, mais cinco de São Paulo. A surpresa ficou por conta da Cinthia, que é santista e da equipe de SP, onde mora, e foi para a cidade especialmente nos desejar boa sorte. Pedi para as barrigudas-mor posarem para uma foto.

Aliás, tínhamos três grávidas neste dia: Nicole acabou de descobrir que está grávida de uma sementinha...

Foi uma sessão muito tranquila e silenciosa, pois a maioria dos bebês era muito pequena e dormiiiiiuuuuu.

Santos, sexta cidade a receber CineMaterna, pouco mais de um ano após o início oficial das nossas atividades. O trabalho é árduo, mas o carinho é grande.

Deixo aqui as imagens finais, da saída e do café. Bate-papo animado, amigas se encontrando, mães trocando experiências, a essência daquilo em que acreditamos e incentivamos!