segunda-feira, 13 de agosto de 2018

De público à voluntária (parte I)

"Sou fã do CineMaterna e fui frequentadora assídua. Gostaria de retribuir o carinho e acolhimento que recebi em todas as sessões, me tornando voluntária."

Com frequência, esta é a forma com que uma mãe se candidata para ser voluntária no CineMaterna. Faz nosso coração transbordar de amor pelas 400 mulheres que recebem de braços abertos as mães recém-nascidas e fazem TODA a diferença.

Como ter frequentado o CineMaterna e ir para os bastidores é a história de muitas, resolvemos fazer a segunda etapa da campanha Antes e Depois com elas (a primeira etapa está AQUI). Eram tantas imagens, que reparti em dois posts. O próximo será publicado em breve.

Aretha em 2012, de São Paulo (SP), com Hakim
Foto deste ano
Alessandra, de Joinville (SC), com Rafael em 2015
Com Renato e Rafael, no colo
Alessandra, São Paulo (SP), com Leonardo
e o marido, em 2016
A família atualmente
Aline e Maria Eduarda, de Contagem (MG), em 2016
Foto deste ano
Cris, com Maria Antônia,
de São José (SC), em 2015
As duas em foto atual
Em 2013, Cristina, de São Paulo (SP) e sua filha Marina
A dupla em foto recente 
Danielle, de Natal (RN), com o marido e Ian, em 2015
Agora, todos assistem ao filme!
Aline, de Araraquara (SP),
com Maria Valentina em 2016
Foto atual
Ana Carla, do Rio de Janeiro (RJ),
com Gabriela em 2015
Na Copa deste ano!
De Jundiaí (SP),
Ana Carolina, com Mateus
Hoje em dia
Bruna, com Davi, de Porto Alegre (RS),
em 2017, bem bebezinho
Davi e o irmão, em foto atual
Ana Paula, de Natal (RN),
em 2015 com Natan
2018
Carol, com Guilherme e o marido Henrique,
em 2012, em São Paulo (SP)
Foto recente da família
Egle, sua mãe e Theo, em 2015,
em Indaiatuba (SP)
Egle e Theo, atualmente 
Evelyn, de Natal (RN), com Maria Julia em 2016
As duas prontas para uma festa
Em 2011, Fernanda com seus filhos Zaion e Alice (bebê),
de Porto Alegre (RS) 
Foto da Fernanda com o três filhos:
Alice, Raiar e Zaion

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

CinePaterna é um colo para os pais

Nestes 10 anos de existência do CineMaterna, não percebo mudança na relação dos homens com a paternidade, de uma forma geral. Claro que não é como a geração dos nossos pais ou avós, quando era esperado que os homens fossem meros provedores econômicos. Nas sessões que acontecem aos sábados, desde sempre vejo papais trocando fraldas e acalentando seus bebês - com orgulho. Mesmo assim, não dá para concluir que nestas famílias, há divisão de tarefas em casa, porque compartilhar esta criação vai muito, muito além disso.

O que noto é que desde que o CineMaterna começou, há, isso sim, mais foco na precisão dos termos, na diferença entre um pai "ajudar" uma mãe e ambos dividirem, compartilharem a criação, cuidarem junto seus filhos. A tal da "paternidade ativa" precisa ser um movimento de reflexão da sociedade sobre o papel dos homens na criação dos filhos. Vai muito além do homem repensar o que é ser pai. A repercussão precisa ser mais profunda, necessitamos rever a forma como toda uma sociedade pensa e age, incluindo as mulheres. Por exemplo, quando uma mãe viaja a trabalho (como eu), é frequente ouvir a pergunta: com quem ficam os filhos? Quando a resposta é "com o pai", surgem rostos de interrogação, muitas vezes, de mulheres, tornando praticamente mandatório explicar que as crianças ficam bem só com ele.

Nosso logotipo do CinePaterna, sessões aos sábados, dia em que os pais têm mais chance de acompanhar a família no cinema, foi inspirado nesta co-criação: o colo do pai é diferente do colo da mãe, mas tão importante quanto. Por isso, a figura central é invertida, os colos são diferentes, mas pai e mãe são representados da mesma forma.


Eu, como mãe, preciso me acostumar que tenho um marido que é pai muito presente, frequentemente mais que eu e sim, não raro me sinto culpada e tenho ciúmes. Tento minimizar estes sentimentos lembrando como meus filhos são felizes por ter um pai tão companheiro e que isso é um ótimo modelo, afinal, são dois meninos. Acalma o coração saber que estamos criando um mundo melhor.

domingo, 29 de julho de 2018

Bastidores de 10 anos

Ainda resgatando as fotos que já foram postadas neste blog ao longo de 10 anos, lembrei de cenas memoráveis dos bastidores. Não estão em ordem cronológica, porque tanta coisa aconteceu, que não consigo recordar o que veio primeiro. 

Das tantas gravidezes que participamos:
a primeira da Cacau Querino, fotógrafa, à esquerda,
e a segunda da Karin Michels, também fotógrafa, no meio,
e da Izabella Loiola, que trabalhava na matriz

Do banner de fundo de foto que criamos para a Natura Mamãe e Bebê,
nosso patrocinador-master há nove anos
(e filhos de voluntárias, da Joana Cunha,
da Simone Novato e da Dayana Delibório)

Dos muitos equipamentos que levamos em um
evento de lançamento,
entrando pelas docas de algum shopping

Do dia que fizemos um mega lançamento em seis salas,
com quatro filmes diferentes

Do tempo que trabalhei com filho a tiracolo
(deveria ser a "põecolo")

Da época em que montar o calendário de sessões do ano seguinte
era complexo e o processo, manual
(continua sendo bastante complexo, mas agora é digital)

Das tantas reuniões de trabalho

Do dia em que um diretor de filme foi à nossa pré-estreia (uau!)
Marcelo Galvão, diretor de Colegas

Da "estreia" do "sacolão de banner"
que inventamos

Do primeiro lançamento que não pude coordenar
porque estava em evento em outra cidade
(foto enviada carinhosamente pela
equipe mostrando que estava tudo bem) 

Do adesivo de carro que fizemos

Do dia em que dei entrevista por telefone à beira do rio,
na ventania, em Manaus 

Do desenvolvimento de novas comunicações visuais para o mesmo folheto

Da criação de uma camiseta para os
fotógrafos parceiros

Do nosso primeiro depósito organizado, na minha casa

De quando chegamos em aeroportos
em cidades menores

De quanto tivemos bate-papos animados em
loja de co-patrocinador

De quando chegamos no centésimo cinema

O que une todas estas imagens da nossa história? Pode parecer piegas, mas tenho certeza de que foi manter nosso foco nas mães recém-nascidas. Nos momentos difíceis, pensamos nelas, quando nos divertimos, pensamos nelas, trabalhamos sempre lembrando e nos posicionando ao lado delas.

Imagem tirada em uma das nossas reuniões de trabalho